Vale do Ardo

Torrente Ardo - foto di Patricia Leles

A torrente Ardo é um curso d’água que nasce no sopé do Schiara, o cume mais alto do Parque Nacional das Dolomitas de Belluno (com seus 2.565 metros de altura), e conflui no rio Piave na periferia sul da cidade. É muito conhecido pela importância que teve, no passado, para a economia da capital, proporcionando a força motriz com a qual eram acionadas, desde os tempos da Serenissima, dezenas e dezenas de fábricas onde eram produzidas as espadas mais procuradas da Europa, eram moídos trigo e cevada, era tecida lã, cortada a madeira das florestas nas serrarias e produzida energia hidrelétrica.

Mais acima, na parte montanhosa, o Ardo é famoso pelos bosques que cobrem ambos os lados do vale e de onde é retirada a madeira que, outrora, era transportada em carroças até a cidade (para os nobres locais).

Hoje em dia, alguns costumes caíram em desuso mas o território ainda é caracterizado pela presença de uma compacta rede de itinerários (trilhas, caminhos, percursos de pedra), alguns dos quais entraram na rota do Clube Alpino Italiano e são percorridos ​​por excursionistas.

Todo o vale do Ardo é marcado pela mão do homem, que há muito tempo frequenta esta zona (como evidencia o sítio arqueológico localizado em Bus del Buson). Percorrendo as margens do Ardo, as florestas ou pradarias do Terne, os prados da Medassa ou do Schiara, o olhar atento do observador reconhecerá os traços da atividade humana na forma de caminhos, muros de pedra, cabanas, capitéis, fontes e lavadouros, calchère (antigos fornos de cal), etc. Esses sinais antrópicos se misturam a belezas geomorfológicas, paisagísticas, e a uma rica flora e fauna.

O vale do Ardo é tão importante do ponto de vista ambiental que a cidade de Belluno instituiu alguns biótopos*. Um deles é a “Garganta do Ardo”, entre Fisterre e Bolzano Bellunese, com um espetacular caminho rochoso pelo rio; outro biótopo é o “Forra dell’Ardo”, localizado entre Vial e Mariano, cujo lugar mais conhecido e acessível é o ousado “Pont de la Mortis”; e existe ainda o profundo e misterioso desfiladeiro rochoso do “Bus del Buson”, um antigo leito da torrente Ardo interrompido em um dos lados do vale e que é considerado uma das belezas geomorfológicas mais interessantes do Vêneto. Outras áreas de grande interesse são os bosques cobertos por pinheiros nas encostas do Terne (I Péz) e a zona do Rifugio 7° Alpini, mais conhecido como Pis Pilon, no sopé do Schiara, no coração do Parque Nacional.

O território oferece ainda inúmeras possibilidades de excursões, que vão desde as simples nas imediações urbanas (como por exemplo o caminho ao longo do Ardo, entre Borgo Pra e a central hidrelétrica) até as mais árduas (como a escalada do monte Schiara, por trilhas que partem da aldeia de casas de pedra chamada Case Bortot, na vale de Bolzano Bellunese). Através desses percursos bem sinalizados e confortáveis, é possível visitar diversos pontos turísticos interessantes como o já mencionado Bus del Buson (partindo das Casas Bortot), o Pont de la Mortis (partindo de Viàl), a casa Laronc, a característica aldeia de pedra de Fossa e o panorâmico Col Castèi.

* Biótopo – Região que apresenta uniformidade de ambiente e de populações animais e vegetais, das quais é o habitat. (Fonte: Dic. Michaelis)

Foto: Patricia Leles 

A torrente Ardo é um curso d’água que nasce no sopé do Schiara, o cume mais alto do Parque Nacional das Dolomitas de Belluno (com seus 2.565 metros de altura), e conflui no rio Piave na periferia sul da cidade. É muito conhecido pela importância que teve, no passado, para a economia da capital, proporcionando a força motriz com a qual eram acionadas, desde os tempos da Serenissima, dezenas e dezenas de fábricas onde eram produzidas as espadas mais procuradas da Europa, eram moídos trigo e cevada, era tecida lã, cortada a madeira das florestas nas serrarias e produzida energia hidrelétrica.

Mais acima, na parte montanhosa, o Ardo é famoso pelos bosques que cobrem ambos os lados do vale e de onde é retirada a madeira que, outrora, era transportada em carroças até a cidade (para os nobres locais).

Hoje em dia, alguns costumes caíram em desuso mas o território ainda é caracterizado pela presença de uma compacta rede de itinerários (trilhas, caminhos, percursos de pedra), alguns dos quais entraram na rota do Clube Alpino Italiano e são percorridos ​​por excursionistas.

Todo o vale do Ardo é marcado pela mão do homem, que há muito tempo frequenta esta zona (como evidencia o sítio arqueológico localizado em Bus del Buson). Percorrendo as margens do Ardo, as florestas ou pradarias do Terne, os prados da Medassa ou do Schiara, o olhar atento do observador reconhecerá os traços da atividade humana na forma de caminhos, muros de pedra, cabanas, capitéis, fontes e lavadouros, calchère (antigos fornos de cal), etc. Esses sinais antrópicos se misturam a belezas geomorfológicas, paisagísticas, e a uma rica flora e fauna.

O vale do Ardo é tão importante do ponto de vista ambiental que a cidade de Belluno instituiu alguns biótopos*. Um deles é a “Garganta do Ardo“, entre Fisterre e Bolzano Bellunese, com um espetacular caminho rochoso pelo rio; outro biótopo é o “Forra dell’Ardo“, localizado entre Vial e Mariano, cujo lugar mais conhecido e acessível é o ousado “Pont de la Mortis“; e existe ainda o profundo e misterioso desfiladeiro rochoso do “Bus del Buson“, um antigo leito da torrente Ardo interrompido em um dos lados do vale e que é considerado uma das belezas geomorfológicas mais interessantes do Vêneto. Outras áreas de grande interesse são os bosques cobertos por pinheiros nas encostas do Terne (I Péz) e a zona do Rifugio 7° Alpini, mais conhecido como Pis Pilon, no sopé do Schiara, no coração do Parque Nacional.

O território oferece ainda inúmeras possibilidades de excursões, que vão desde as simples nas imediações urbanas (como por exemplo o caminho ao longo do Ardo, entre Borgo Pra e a central hidrelétrica) até as mais árduas (como a escalada do monte Schiara, por trilhas que partem da aldeia de casas de pedra chamada Case Bortot, na vale de Bolzano Bellunese). Através desses percursos bem sinalizados e confortáveis, é possível visitar diversos pontos turísticos interessantes como o já mencionado Bus del Buson (partindo das Casas Bortot), o Pont de la Mortis (partindo de Viàl), a casa Laronc, a característica aldeia de pedra de Fossa e o panorâmico Col Castèi.

* BiótopoRegião que apresenta uniformidade de ambiente e de populações animais e vegetais, das quais é o habitat.(Fonte: Dic. Michaelis)

This post is also available in: Italiano, Inglês