Monte Serva

monte_serva_rivier_de_mari

A cidade de Belluno é a única capital de província cujo território fica inteiramente dentro dos limites de um parque nacional, o das Dolomitas de Belluno, e é certamente uma das suas principais portas de entrada. O Parque Nacional das Dolomitas de Belluno é uma área de preservação ambiental criada em 1990 e abrange cerca 30 mil hectares espalhados em 15 municípios da Província.

O Monte Serva é uma colina coberta de grama, de aspecto tranquilizador, que se localiza na parte nordeste da Valbelluna e que atinge a notável altitude de 2.133 metros. Seja quando o sol de inverno ilumina as encostas cobertas de neve (que assumem tons de rosa) ou quando é completamente verde (até o topo) durante o verão, o Monte Serva é sempre um espetáculo.

Antigamente era utilizado como monte de feno (na parte baixa) e como pastagem (na parte alta), ou seja, era sinônimo de privações e labuta; hoje em dia os prados não são mais ceifados, mas um rebanho de ovelhas ainda pastoreia nas encostas durante o verão.

Esta montanha localiza-se dentro do Parque Nacional e é uma das zonas mais interessantes pela sua flora e vegetação, em termos de riqueza e variedade de espécies. A montanha tem, de fato, uma história muito antiga de exploração da flora, tanto que as primeiras coleções botânicas, documentadas em herbários históricos, datam de 1400. Dentre as inúmeras espécies de flores destacam-se: Elyna Myosuroides, Chamorchis Alpine, Eritrichium Nanum, Geranium, Obir-Alyssum Ovirense, entre outras igualmente belas e raras.

Também em termos de fauna o Monte Serva é digno de nota: basta pensar na águia dourada (que sobrevoa as encostas todos os dias à procura de alguma presa), na codorna, nas lebres, nos veados, etc. Além disso, no inverno, os cumes são frequentados por ptármigas, enquanto a camurça branca e as perdizes vivem nas encostas mais íngremes da parte norte da montanha.

Em relação às excursões, o ponto de partida para qualquer passeio é o Col de Roanza, lugar agradável e panorâmico situado a poucos minutos de carro do centro; a partir daqui é possível escolher um dos vários itinerários: alguns conduzem ao vale do Ardo (Pont de la Mortis; Mariano e Schiara), mas o mais popular é o que leva, em algumas horas de caminhada, ao cume do Serva, através da Casera Pian dei Fiòc (base utilizada pelos pastores no verão e que abriga os excursionistas que escalam o monte durante todo o ano).

Em dias claros e límpidos, do topo, o espetáculo é garantido: é possível observar Veneza ao sul (facilmente reconhecível), e nas outras três direções, a perder de vista, os picos mais importantes e conhecidos das Dolomitas.

This post is also available in: Italiano, Inglês